half banner
Notícias
feed   Você está em: Notícias do Brasil
A+ | a-
Brasília
Prevenção ao bullying também deve ocorrer em consultórios pediátricos, diz SBP
Publicado em: 09/11/2017 pela equipe do Brasília Web

Prevenção ao bullying também deve ocorrer em consultórios pediátricos, diz SBP

Pais e responsáveis devem ficar atentos a sinais de ocorrência de bullying nas escolas.

   

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou nesta semana um guia sobre bullying, para que pais, adolescentes e professores possam enfrentar e prevenir essa prática, especialmente nas escolas. Segundo o presidente do Departamento Científico de Saúde Escolar da entidade, Joel Bressa da Cunha, a SBP tem uma preocupação ampla com todos os aspectos ligados à saúde das crianças e adolescentes.

“É um assunto importante, que precisa ser mais entendido pelos pediatras, porque eles têm ação fundamental, tanto na prevenção quanto no encaminhamento das questões de violência”, disse Cunha, explicando que o bullying deve ser mais abordado dentro dos consultórios médicos. O bullying compreende todas as atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra um ou mais colegas, causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder, tornando possível a intimidação da vítima.

O próprio pediatra pode intervir e orientar pais e filhos, conforme a gravidade da violência, desde uma conscientização no próprio consultório, a abordagem direta na escola, até o encaminhamento para um especialista. “Uma atitude ativa do pediatra é importante para evitar consequências graves. Perguntar como o paciente está indo na escola é simples, dar orientações”, acrescentou Cunha.

No guia, Cunha explica que há uma série de informações, inclusive para identificar bem o bullying. “A gente caracteriza o bullying como a intenção de humilhar. Não é algo com a intenção de causar um dano muito grande. Mas, por ser mais leve na intenção, não quer dizer que não tenha consequências mais graves, tanto físicas quanto psicológicas”, disse.

O documento da SBP traz também orientações sobre atitudes a serem adotadas pelos diferentes atores. Por exemplo, no caso daquela criança ou adolescente que é alvo de bullying, a SBP recomenda que os pais observem a presença frequente de sinais de trauma, como ferimentos e hematomas, alterações repentinas de humor, apresentação de desculpas para não ir à escola, comportamento agressivo ou busca de novas amizades fora da escola.

Para Cunha, tanto o alvo quanto o autor do bullying têm que ser vistos com atenção especial, pois eles têm mais possibilidade de apresentar, ou de desenvolver no futuro, problemas ligados à saúde mental, como ansiedade, depressão e uso de drogas.

No caso da criança ou do adolescente que pratica atos de agressão contra os colegas, a SBP pede que os pais e responsáveis não ignorem a situação, busquem respostas para os motivos do comportamento e evitem o uso da violência para resolução do problema. “É importante evitar ações meramente punitivas, porque isso pode até reforçar algo que este estudante sente e dar motivo para uma agressividade maior”, explicou o pediatra.

De acordo com Cunha, os espectadores também são parte das estratégias de prevenção ao bullying. “É importante tornar visível a questão do bullying e incentivar todos a falar sobre isso e a conversar com os adultos para que a ação não aconteça. Se todos estiverem motivados e orientados a falar, pode não partir do alvo, mas daqueles espectadores”, afirmou.

O Guia Prático de Atualização sobre Bullying está disponível na página da SBP.

Edição: Nádia Franco

Em 09/11/2017
Fonte: Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil
Foto: Arquivo/Agência Brasil


Leia mais sobre: Notícias do Brasil

1452 Registros: - Exibindo 1 de 208 - Primeiro - Anterior  - |  1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 |  -  Seguinte - Final

Desenvolvido por: Logo PortalBSB © 2000/2017 - Portal BSB Soluções em Internet | Certificado de Acessibilidade validado pela W3C na modalidade máxima WAI-AAAA e WCAG 1.0 | Certificado de Acessibilidade do código CSS validado pela W3C | Certificado de Acessibilidade validado pelo Acesso Brasil