half banner
Notícias
feed   Você está em: Notícias do Brasil
A+ | a-
Brasília
Publicado em: 07/04/2018 pela equipe do Brasília Web

Justiça Federal nega pedido da prefeitura de BH para administrar Anel Rodoviário

O pedido havia sido apresentado em setembro do ano passado, após um acidente envolvendo uma carreta e seis veículos levar três pessoas à morte e deixar diversos feridos.

   

A Justiça Federal informou hoje (6) que foi negado o pedido da prefeitura de Belo Horizonte para assumir a gestão e a fiscalização do trânsito do Anel Rodoviário. De acordo com a sentença, o atendimento ao pleito iria contrariar regras constitucionais e ferir o respeito à harmonia entre os poderes, uma vez que o Judiciário adentraria em atribuições do Executivo e do Legislativo federais.

“A pretensão inicial, embora louvável, já que voltada à preservação de vidas e incolumidade física, encontra diversos óbices para que seja resolvida da forma em que apresentada judicialmente”, escreveu o juiz Flávio Ayres dos Santos Pereira.

O pedido havia sido apresentado em setembro do ano passado, após um acidente envolvendo uma carreta e seis veículos levar três pessoas à morte e deixar diversos feridos. O município também pleiteava a transferência de recursos federais. Se tivesse sucesso na ação, o trânsito na via passaria a ser administrado e fiscalizado por um conjunto de órgãos municipais, entre eles a Guarda Municipal e a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans).

Construído nos anos 50 para aliviar o tráfego da carga no centro de Belo Horizonte, o Anel Rodoviário é integrado por trechos urbanos de diversas rodovias federais. Com cerca de 27 quilômetros de extensão, ele começa no encontro entre a BR-262 e a BR-381 e termina na junção da BR-040 com a BR-356. Prevista para receber inicialmente 1,5 mil veículos diários, recebe hoje cerca de 160 mil passam todos os dias.

As principais queixas da prefeitura são direcionadas ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit), autarquia responsável pela manutenção das rodovias, e à Via 040, concessionária que administra atualmente cerca de 10,5 quilômetros do Anel Rodoviário, trecho apontado como o mais perigoso. O município alega que, mesmo com o aumento intenso do tráfego nas últimas décadas, apenas alterações mínimas foram realizadas. Na ação, foram incorporados dados segundo os quais, de 2007 a 2016, 319 pessoas morreram em acidentes na via e 10.209 ficaram feridas.

O magistrado entendeu, porém, que não é possível imputar à administração do Anel Rodoviário a ocorrência de tantos acidentes. “Sabidamente, há muitos casos causados por excesso de peso de carga em caminhões e ônibus, excesso de velocidade, embriaguez ao volante, negligência quanto à manutenção de veículos, por exemplo”, escreveu Flávio Ayres.

Segundo o juiz, não cabe à Justiça intervir na liberdade contratual e obrigar a União Federal a firmar um convênio transferindo a administração do Anel Rodoviário ao município. Isso envolveria encerrar o contrato de concessão em vigor e forçar Entes Federativos a deixar de realizar políticas públicas impostas pela Constituição. Ele destacou que, chamada a se manifestar, a União se posicionou contra o pleito.

Procurada, a prefeitura de BH informou que ainda não foi notificada e só irá se posicionar após conhecer os termos da decisão.

Edição: Davi Oliveira

Em 07/04/2018
Fonte: Léo Rodrigues - Repórter da Agência Brasil


super banner
Leia mais sobre: Notícias do Brasil

1487 Registros: - Exibindo 1 de 213 - Primeiro - Anterior  - |  1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 | 209 | 210 | 211 | 212 | 213 |  -  Seguinte - Final

Desenvolvido por: Logo PortalBSB © 2000/2018 - Portal BSB Soluções em Internet | Certificado de Acessibilidade validado pela W3C na modalidade máxima WAI-AAAA e WCAG 1.0 | Certificado de Acessibilidade do código CSS validado pela W3C | Certificado de Acessibilidade validado pelo Acesso Brasil