half banner
Notícias
feed   Você está em: Notícias do Brasil
A+ | a-
Brasília
Jovens refugiados participam de capacitação para o mercado de trabalho
Publicado em: 07/06/2019 pela equipe do Brasília Web

Jovens refugiados participam de capacitação para o mercado de trabalho

Curso preparatório reuniu em Brasília 14 estudantes vindos de 8 países

   

A esperança de conseguir uma vaga como aprendiz ou um estágio no Brasil levou 14 jovens estudantes refugiados a se reunir em Brasília em um curso preparatório para inserção no mercado de trabalho. Conduzida pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), a turma era formada por jovens com idade entre 14 e 24 anos vindos de oito países: Venezuela, Haiti, República Democrática do Congo, Togo, Gana, Síria e Angola.

Chamado de Oficinas de Criatividade, o curso, encerrado nesta sexta-feira (7), ofereceu atividades voltadas para a preparação e inserção de jovens refugiados e migrantes no mercado de trabalho a partir de vagas de estágio e aprendiz. Os jovens recebem informações desde produção de currículo a técnicas de comportamento em ambiente de trabalho.

A capacitação conta com apoio não remunerado do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH) e da Agência da ONU para Refugiados (Acnur). Esta foi a segunda turma do curso, que já capacitou 30 jovens na capital federal. De acordo com o CIEE, o curso foi ampliado para ser aplicado em mais duas capitais – Manaus e Boa Vista – e deve chegar a São Paulo no próximo semestre.

Para a venezuelana Nicole Viana, de 14 anos, uma das nove meninas que participaram da Oficina de Criatividade, o valor da comunicação interpessoal foi lição mais importante do curso. Fluente no português ensinado pelo pai, também venezuelano, a jovem está há quatro anos no Brasil e vive em Brasília há um. No entanto, deixar Caracas, capital da Venezuela, Nicole passou por um complexo período de adaptação.

“Não consegui me adaptar na escola quando cheguei a Roraima. Foram dois anos sofrendo bullying diariamente", contou a jovem. "Além do problema com o idioma, fui nivelada em uma série que eu não conseguia acompanhar. As crianças me chamavam de burra, e era muito difícil. Em Brasília vivo o oposto. Aqui, além de estar na série certa, as pessoas se interessam pela minha história, gostam de saber que sou estrangeira e querem conhecer um pouco da minha cultura. Agora eu sei que quero continuar a viver no Brasil”, disse. “O curso me ensinou que saber me comunicar é importante, e mais ainda no mercado de trabalho.”

O haitiano Edy Boileau, de 24 anos, destacou que o curso lhe deu oportunidade de se reunir com outros jovens de seu país de origem. Há quatro anos no Brasil, Boileau faz o curso superior de Análise de Sistemas da Informação e espera que seu idioma natal, o francês, seja um diferencial no currículo.

“Deixei a capital [do Haiti], Porto Príncipe, em busca de oportunidade por aqui. Vim sozinho, só conhecia uma prima aqui. e a chegada não foi fácil, porque eu não sabia falar nada de português, apenas francês”, contou. “Ainda não sei se quero permanecer no Brasil, que é um país muito lindo, uma cultura diferente, mas acho que só o futuro me dará essa resposta”, acrescentou.

Segundo a supervisora de Assistência Social do CIEE, Ranyelle Braz, a perspectiva é que nova turma da capacitação seja aberta no segundo semestre deste ano. No primeiro curso desenvolvido pelo centro, que interliga estudantes a vagas de estágio em empresas públicas e privadas, 70% dos alunos foram inseridos no mercado de trabalho.

“São cinco encontros que seguem dinâmicas próprias, com atividades realizadas duas vezes na semana, em média. Esse tipo de curso também é destinado a brasileiros em situação de vulnerabilidade e apresenta, entre outros pontos, a legislação de trabalho no Brasil, como participar de uma entrevista de emprego e até como se vestir adequadamente no trabalho. Não há garantia formal de emprego, mas aumenta bastante as chances desses jovens”, explicou Ranyelle. O CIEE também faz a sensibilização com empresas para desmistificar a contratação de refugiados ou migrantes, para evitar preconceitos ou mesmo a falta de informação dos empregadores.

Refugiados no Brasil
Dados divulgados pelo Comitê Nacional para os Refugiados do Ministério da Justiça e Segurança Pública (Conare) no relatório Refúgio em Números revelam que o Brasil reconheceu, até o final de 2017, um total de 10.145 refugiados de diversas nacionalidades. Desconsiderando a chegada de venezuelanos e haitianoso, o maior número de pedidos de refúgio foi registrado em 2017. Foram 13.639 pedidos naqueleo ano; 6.287 em 2016; 13.383 em 2015 e 11.405 em 2014.

Segundo o Oficial de Meios de Vida da Acnur, Paulo Sérgio de Almeida, metade dos refugiados e migrantes do mundo são jovens com menos de 24 anos. “Uma das preocupações da Acnur é com os jovens que chegam ao Brasil", disse Almeida.

"Há situações que o idioma desses jovens é um fator complicador, que dificulta principalmente o acesso à informação. Eles não têm o conhecimento da realidade do mercado de trabalho brasileiro, e o curso tem o potencial de aumentar as chances que esses jovens têm de ingressar no mercado de trabalho”, acrescentou.

Edição: Nádia Franco 

Em 07/06/2019
Fonte: Heloisa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil


Leia mais sobre: Notícias do Brasil

1653 Registros: - Exibindo 1 de 237 - Primeiro - Anterior  - |  1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 | 209 | 210 | 211 | 212 | 213 | 214 | 215 | 216 | 217 | 218 | 219 | 220 | 221 | 222 | 223 | 224 | 225 | 226 | 227 | 228 | 229 | 230 | 231 | 232 | 233 | 234 | 235 | 236 | 237 |  -  Seguinte - Final

Desenvolvido por: Logo PortalBSB © 2000/2019 - Portal BSB Soluções em Internet | Certificado de Acessibilidade validado pela W3C na modalidade máxima WAI-AAAA e WCAG 1.0 | Certificado de Acessibilidade do código CSS validado pela W3C | Certificado de Acessibilidade validado pelo Acesso Brasil